A relação entre a luminosidade e o sono

Já é comum ouvirmos falar sobre o mau hábito de ficar nos smartphones à noite, olhando redes sociais, e prejudicando o sono. Assistir TV até tarde ou ter o aparelho no quarto para curtir algum filme de terror na cama também geram prejuízo a uma boa noite de sono.

Mais do que o tipo de luz a qual nos submetemos, a sua intensidade pode ser um problema maior, segundo o neurocientista da universidade de Oxford, Russell Foster. Para ele, quantidade é mais relevante do que qualidade. A luz forte do banheiro, ao escovar os dentes ou tomar banho antes de dormir pode atrapalhar mais seu sono do que a luminosidade da tela do seu celular ou tablet.

Para resolver este problema, a solução seria instalar um regulador de luminosidade. De um modo geral, o ideal é conseguir minimizar a exposição à luz. Cerca de uma hora antes de dormir, vá apagando as lâmpadas e acendendo luminárias para reduzir a luminosidade nos ambientes. Prefira a leitura em papel ao invés das telas digitais.

Para quem não tem problemas para dormir, parecem medidas desnecessárias, mas o número de pessoas com insônia ou com um sono de baixa qualidade cresce a cada dia. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada três pessoas tem dificuldade para dormir no mundo.

O assunto é sério, pois já existem estudos que associam o sono desregulado ao aumento do risco de obesidade, ao envelhecimento acelerado e a alterações que prejudicam os sistemas cardiovascular e imunológico.

Tudo Sobre o Sono

Agende seu exame na pneumosono.

A melhor infraestrutura para você!