Por que algumas pessoas se sentm bem dormindo pouco?

Pessoas que dormem menos de seis horas por noite e, ao acordar, estão prontas para uma longa jornada, costumam despertar inveja. Personalidades como Barack Obama, Elon Musk e João Dória adoram informar ao mundo que, por dormirem menos, conseguem produzir mais.

 

Não há dados estatísticos que comprovem quantas pessoas seguem esses exemplos, distantes das oito a nove horas recomendadas para boa parte dos adultos. A novidade é que a ciência começa a compreender melhor como ocorre o funcionamento de quem tem sono curto. Estudos recentes vêm demonstrando que não existe um padrão universal, podendo haver, no caso, uma propensão genética.

 

Assim, cada pessoa tem seu relógio biológico próprio e intransferível, o que explica algumas precisarem de mais tempo do que outras. Essa descoberta ajuda a entender por que tem gente que fica bem com poucas horas de sono; já outras, mal são capazes de deixar os olhos abertos durante o dia.

 

Um casal de pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, parece ter encontrado as respostas: eles verificaram a presença de determinados genes em pessoas que se sentem bem dormindo poucas horas, como o primeiro marcador genético associado ao fenômeno. Era uma mutação que permitia o mesmo efeito de oito horas de sono para quem dorme seis. Em 2019, o casal descobriu mais dois genes e enviaram para publicação a possível presença de uma quarta alteração. 

 

Indivíduos que dormem pouco apresentam sinais visíveis de impulsividade e motivação por recompensas, ferramentas que costumam estar ligadas ao sucesso profissional. Contudo, ainda existe um ponto intrigante: qual a porcentagem da população que tem essa “vantagem competitiva”? Estudos indicam ser apenas 1%. O que se sabe com propriedade é que dormir pouco é um dos principais riscos para desenvolver problemas de saúde, como obesidade, diabetes, distúrbios psiquiátricos e alguns tipos de câncer.

 

A diferença é que, hoje, esses parâmetros são mais individualizados, reguladas pelo ritmo circadiano saudável de cada um, que sofre influência da genética e de hábitos externos (luminosidade, temperatura e clima). É esse marcador que dita a liberação de hormônios como a melatonina. Ainda temos poucas certezas e muitas dúvidas, mas sabemos que dormir é vital e essencial para um cotidiano feliz. 

Tudo Sobre o Sono

Agende seu exame na pneumosono.

A melhor infraestrutura para você!