Para que serve o sono?

Foi só a partir do final de década de 50 que o sono passou a ser compreendido como um processo ativo. Até então, o sono era tratado como um momento passivo, quando cérebro sofria lapsos que induziam ao sono.

A mudança de pensamento sobre o sono ocorreu pela descoberta de que ele é um processo com uma sucessão cíclica de diferentes fenômenos psicofisiológicos. Além disso, percebeu-se que os estágios do sono que geram repouso e a recuperação das funções mentais devem ocorrer de forma organizada. Quando isso não acontece, os prejuízos são vários: desatenção, falta de concentração, raciocínio lento, sono durante o dia, mudança de humor e o comprometimento de outros sistemas, o que contribui para o surgimento de doenças.

Todo mundo sabe que o sono serve para repor as energias. Mas isso é bem mais complexo do que parece. Para o cérebro, o sono é vital. Durante a noite, os tecidos são reparados, os órgãos descansam ou terminam ciclos como eliminar as toxinas e o cérebro filtra e processa os acontecimentos do dia, sedimentando a memória.

Para exemplificar, é como se sua casa tivesse uma equipe de manutenção que entra em ação quando você não está. Ela varre, tira o pó, lava o chão, faz reparos, conserta fendas, esvazia a lixeira, guarda a correspondência, ou seja, deixa tudo pronto e funcionando para o dia seguinte.

No caso de recém-nascidos e crianças menores, o sono permite o amadurecimento do cérebro, a partir da produção de proteínas que participem dos processos de mielinização do cérebro (fase REM=fase de sonhos). Portanto, um sono de qualidade é de suma importância para uma boa saúde.

Tudo Sobre o Sono

Agende seu exame na pneumosono.

A melhor infraestrutura para você!